Quinta-feira
15 de Novembro de 2018 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Notícias

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,79 3,79
EURO 4,30 4,30
GUARANI 0,00 0,00
IENE 0,03 0,03
LIBRA ES ... 4,93 4,93
PESO (ARG) 0,10 0,11

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Belo Horizonte,...

Máx
30ºC
Min
20ºC
Pancadas de Chuva

Sexta-feira - Belo Hor...

Máx
27ºC
Min
21ºC
Nublado e Pancadas d

Newsletter

22/10/2018 - 16h48Operadora de saúde suplementar deve custear eletroconvulsoterapiaRelatório médico indicava urgência e imprescindibilidade da realização das sessões

A Justiça determinou que a Amil Assistência Internacional S.A. autorize 12 sessões de eletroconvulsoterapia para uma paciente que sofre de transtorno depressivo recorrente. A decisão é do juiz Sebastião Pereira dos Santos Neto, titular da 2ª Vara Cível de Belo Horizonte. Em caso de descumprimento, a empresa deverá pagar multa diária de R$ 1.000, limitada a R$ 30.000. A decisão é do dia 19 de setembro.   De acordo com o processo, a paciente, que se encontra internada, é portadora de transtorno depressivo recorrente e atualmente tem convivido com sintomas psicóticos (insônias, pesadelos, vozes, muita tensão), acompanhados de fortes dores de cabeça e corpo sempre indisposto.   Ainda segundo o processo, a paciente precisa “urgentemente” das doze sessões, sem as quais  sua sobrevivência se torna difícil. A negativa de autorização do procedimento foi justificada, sob o argumento de que o procedimento não se encontra contemplado no rol de procedimentos da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).   Em sua fundamentação, o juiz Sebastião Pereira dos Santos Neto levou em conta o relatório médico, que informa sobre a “urgência e imprescindibilidade da realização do tratamento”.  Para o magistrado, a não autorização viola o princípio da boa-fé contratual, bem como a proteção do consumidor. “Não há motivo plausível para que a ré não autorizasse o fornecimento do procedimento necessário para que não ocorra a progressão da doença”, registrou o juiz.   Para preservação da privacidade da paciente, o número do processo foi omitido.  
22/10/2018 (00:00)

Contate-nos

HLDS Advocacia

Rua AD -  88 -  Próximo ao Metrô
-  Água Branca
 -  Contagem / MG
-  CEP: 32370-190
+55 (31) 2567-0787+55 (31) 994954790
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia